Por Maria Inês Campos

Posts marcados ‘coaching’

Gardner e as Inteligências Pessoais – Parte 1

GardnerFonte: Gardner e as Inteligências Pessoais – Parte 1

Anúncios

TREINAMENTO – RECONEXÃO: O CAMINHO.

A proposta do treinamento é proporcionar ao indivíduo três dias de envolvimento, reflexão, conquista do equilíbrio corpo/mente/emoção. Esse é o foco!a01

Eu, Dr.Mário Gonçalves e a  Hipnoterapeuta Silvana Brejão, preparamos um treinamento que vai fazer de seu 2015 um ANO DE SUCESSO e muitas REALIZAÇÕES, tanto na área profissional quanto pessoal!

Saiba mais sobre o nosso treinamento; estamos prontos para atender e tirar todas as dúvidas através do e-mail empresarial: cep.coachingpe@gmail.com

Ou através da page no facebook: www.facebook.com/CepCoachingEmpresarialEPessoal  e também no Instagram CEP: @mariainesdecampos

O TREINAMENTO SERÁ REALIZADO NOS DIAS 13, 14 E 15 DE MARCO DE 2015, NO HOTEL FAZENDA ROSEIRA.
ACESSE PARA VISUALIZAR O LOCAL: www.hotelfazendaroseira.com.br

Junte-se a nós, invista em você! CEP- Viver bem é o melhor negócio!

Explicação não é solução!

Por Drº Mario Gonçalves

liberte-se


Explicações não são confiáveis. Podemos até achar uma boa explicação para algo agora, mas amanhã novos fatos e novos detalhes vão alterar o contexto e uma nova explicação vai aparecer. Talvez, de imediato não tão diferente da original, mas com certeza bem diferente depois de um tempo. Dessa forma é que a Terra deixou de ser plana para ser redonda e que o Sol parou de girar em torno dela. Mesmo mentes brilhantes como Aristóteles,  Newton e Einstein tem suas explicações invalidadas com novas teorias que surgem para “explicar melhor” os acontecimentos.

Às vezes nos sentimos mal e não temos nenhuma explicação para isso. Tudo bem. Qual é o problema ? Apenas a explicação do dia não apareceu. Mesmo assim quem está ao nosso redor é capaz de elaborar uma lista extensa de explicações para mostrar que não deveríamos nos sentir assim.

Se as explicações não são confiáveis por que insistir nelas ? Por que acolher a culpa ? Quanta bobagem ! No final das contas o que importa é se sentir bem e ser feliz não é mesmo ?

Portanto, se você está passando por um problema e está desperdiçando sua energia tentando explicar como chegou nesta situação terá explicações para a vida toda. Porém se simplesmente parar de explicar, dia após dia, o seu sofrimento (seja para os outros, seja para você mesmo) deixará de colecionar explicações e abrirá as chances de encontrar a tão desejada solução.

Tropeço na pedra, pedra do tropeço.

O fato: Tropecei em uma pedra que estava no meu caminho.

A causa: Falta de atenção e planejamento

A consequência: Dor no dedo do pé

O aprendizado: Ande com atenção, defina o que você quer alcançar com os seus passos, para que você quer e como você quer.

Simples, não é?

Não. Não é simples!

Você já tropeçou em uma pedra? Qual a sua primeira reação? Xingar a pedra?   

Parabéns se a resposta a essa última pergunta foi sim, isso significa que você é membro do clube de seres humanos “normais”. Ótimo!!

O único probleminha é que, se por um lado reagir xingando a pedra é normal, por outro, transferir esse tipo de reação impulsiva para acontecimentos mais complexos pode acarretar uma somatória absurda de conflitos. O que pode e deve ser feito é transferir aprendizado de situações simples para complexas.

Por exemplo: Um fato raríssimo é alguém ser pego  traindo alguém, não é verdade?

E mesmo sendo assim muito raro proponho que vejamos a situação de vários ângulos, para isso vamos criar um fato envolvendo personagens hipotéticos. Eis a estória – João traiu Maria com Ana. Maria ficou sabendo e rompe com João. João entra em desespero e quer Maria de volta.

Maria sofre por sentir-se menor, menos amada e um pouco “burra”. A culpa é do João

João sofre por se sentir injustiçado, porque ele gosta da Maria e ela não podia descobrir a traição. A culpa é de quem contou.

Ana sofre por sentir-se melhor que a Maria e sem sorte no amor. A culpa é da Maria.

Nessa análise podemos perceber um excesso de culpados, muita dor e nada de positivo.

Sabemos que a culpa é um monstro que destrói auto estima e oportunidades de progresso. A culpa imobiliza, atrai punição, além de ser uma visão míope e variável como observamos na nossa estorinha de traição.

Aprendendo com os tropeços:

O fato: A traição de João

A causa: Falta de foco no seu objetivo – ter um relacionamento afetivo com Maria. Ausência de planejamento para viver esse relacionamento de maneira prazerosa e satisfatória.

A consequência: Sofrimento de Maria, João e Ana.

O aprendizado: Defina a sua intenção, foque, coloque toda a sua atenção no que você definiu como objetivo. Analise o quanto alcançar o objetivo traçado é importante para você. Responda a si mesmo quais os valores e crenças que lhe levaram à esse objetivo.

Pense;

1- Se nossos personagens usarem o fato para aplicar o aprendizado a vida pode ficar mais alegre e produtiva?

2- Demorar-se na dor modifica os fatos?

3- Maria, João e Ana devem priorizar uma resposta aos culpados ou dar ênfase a construção de novas metas em busca do objetivo de cada um?

4- Como você se comportaria? Considere teoria como teoria, e prática como ação  tomada a partir de aprendizado.

Parece simplista essa colocação, não é?

Lembre-se que a culpa é processo paralisante e que quando culpamos o outro, a pedra do tropeço, ou debitamos a dor na conta da nossa “inocência”, estamos na verdade estacionados .

 

O coaching é uma ferramenta muito interessante e de resultados extremamente rápidos,que nos impulsiona a caminhar a passos largos, focados e com flexibilidade para saltar, retirar ou desviar as pedras do caminho. Quando você tropeçar, se quiser, eu posso estar ao seu lado para traçarmos juntos as novas metas e estratégias que lhe levaram ao seu objetivo.

eu no salto

 

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: