Por Maria Inês Campos

LEMBRANÇAS

Hoje acordei “pilhada”, retomei uns sonhos antigos, me enchi de lembranças poderosas que afirmam que É POSSÍVEL!!!!!!

Continuando no tema PRODUTIVIDADE percebo que o obstáculos maiores são:

1- Omissão

2- Medo

3- Necessidade de validação

E daí? O que fazer? Qual o caminho?

Acho que alguns conhecimentos podem se transformarem em saberes desde que saiamos da zona de conforto e coloquemos nossos pares de neurônios – Tico e Teco – para baterem uma bolinha, aceita o convite?

Então vamos lá:

Alguém já ouviu falar em Joi Ito? Não? Eu nunca tive ouvido, me perdoem a falta de empenho, descobri “por acaso” em uma citação no face (face também é cultura… rsrsrs),  e aí deu uma espiadinha, assim como quem não quer nada, sabe?

Achei o seguinte:

Novo diretor do MIT Media Lab, de onde saiu o Guitar Hero, nunca terminou uma faculdade
16.09.2011 | Texto: Ronaldo Lemos

Reprodução/ Beauty in the street: A visual record of the may ’68 Paris(Four Corners Books)

TRIP-203_Colunaslemos

Em um momento em que parte do poder norte-americano está se dissipando, um dos principais centros de onde ele emana permanece firme e forte: a universidade. Uma das razões para isso é sua capacidade de reinvenção. O que é visível na quantidade de pessoas que ficou de queixo caído com a nomeação do novo diretor do MIT Media Lab (o influente laboratório digital do Massachussetts Institute of Technology, criado por Nicholas Negroponte). O novo diretor é ninguém menos do que Joi Ito, empreendedor japonês que nunca chegou a terminar a universidade. Apesar dessa aparente “falha”, ele é a pessoa certa para o Media Lab, uma instituição que tem por missão pensar o futuro através da tecnologia. Para se ter uma ideia, foi de lá que saíram os leitores de livros digitais (como o Kindle) e videogames como o Guitar Hero.Joi Ito não é um estranho ao mundo acadêmico. Chegou a se matricular em ciência da computação e em física na universidade de Chicago, mas desistiu dos cursos. Achou que eram excessivamente voltados para “dentro”, exageravam na técnica e deixavam de lado a intuição, que para ele era mais importante.

Tive a sorte de conhecer Joi quando ele se tornou o diretor-executivo do Creative Commons em 2005. Em 2008 passei uma noite interessante com ele em Sapporo, no Japão. Participei de um jantar em que dois empreendedores franceses tentavam convencê-lo a investir na sua empresa. Um investimento dele é um cartão de visitas para qualquer start-up, especialmente pela reputação de ter apostado em empresas como Twitter, Flickr e Last.fm quando estavam só no começo.

Em essência, Joi é um grande mentor, inclusive para as empresas em que investe. Só que jamais assume esse papel. Cabe a quem está próximo dele aprender ou não. Lição que deve ter herdado de Timothy Leary, que o considerava como discípulo (ou “neto”, nas palavras dele). Joi faz parte de uma geração de pensadores comprometidos com a ação e que sabem que a educação deve ultrapassar as fronteiras do mundo acadêmico. Faz lembrar precursores como Faraday, pai do eletromagnetismo, que não teve quase nenhuma educação formal. Ou Marshall Mcluhan, que nos anos 60 dizia que a academia estava excessivamente presa ao texto, enquanto o mundo é tomado por outras mídias deixadas de lado no processo educacional (o que ele pensaria hoje?).

“Radical, mas brilhante”

Levar a educação para além do texto será certamente um dos passos do novo Media Lab, especialmente considerando o perfil multimídia de Joi. Ele já apresentou um programa de televisão, foi DJ em Chicago, dono de um bar no Japão, fotógrafo, jogador renomado de games (como o World of Warcraft), conselheiro de eventos de arte e tecnologia e assim por diante. E é claro, escreveu também artigos e editou alguns livros. Mas para entender sua “obra” é preciso olhar para todas as dimensões da sua vida, porque só aí ela se manifesta por completo.

Um concorrente do MIT chamou a escolha de Joi para o MediaLab de “radical, mas brilhante”. O “radical” está em deslocar a academia americana da sua zona de conforto, desafiando-a a olhar para fora, para o mundo. E o “brilhante” está no exemplo e em todas as possibilidades que isso pode trazer.

*Ronaldo Lemos, 34, é diretor do Centro de Tecnologia da FGV-RJ e fundador do site http://www.overmundo.com.br. Seu e-mail é rlemos@trip.com.br

Colei! Viu que esperteza? rsrsrs

Sobre esse texto “colado” proponho, aos meus colegas da Escola Sinhá e quem mais quiser , uma reflexão:

autoconhecimento

Como Educadora, podendo até ter uns “Joi Itos” como educandos, eu sou produtiva?

O que eu tenho que passar como aprendizagem para o meu aluno para que ele tenha sucesso?

Preparar alunos para o vestibular já foi o máximo de uma escola de qualidade. Hoje lidamos com outros valores onde a escola formal, estanque não é garantia para que o sujeito tenha sucesso, então, quais são os valores e crenças que eu tenho que trabalhar para cumprir o meu objetivo de educar?

Sabemos que as relações que ocorrem dentro de uma escola É A ESCOLA, e não o que há de físico nela, ou seja, a emoção leva o processo educacional a efetivar-se.

Como eu gerencio, processo, interajo com as relações dentro da minha Escola? Interajo de maneira produtiva com os colegas, gestores, educandos, conteúdos, saberes, valores que permeiam a minha tarefa no meu ambiente de trabalho?

É possível ter discípulos críticos quando o mestre é acomodado?

É possível ter discípulos atuantes quando o mestre é omisso?

Vale  ter um desempenho profissional mediano quando tenho e posso ser muito mais?

Ainda sobre o tal do Joi Ito, tem uns princípios atribuído a ele que podem ser boas indicações de como alcançar uma maior produtividade. Lá vai colagem de novo….rsrsrs

FotoP

Pense sobre isso.

Observação importante:

Meus pacientes leitores ocasional e seguidores, pode não parecer, mas essa postagem pode ajudar, e muito, aqueles que estão iniciando uma nova fase, aqueles que querem ter uma nova direção ou a aqueles que querem reorganizar estruturas pessoais.

Gostaria de ler o seu comentário

Anúncios

Comentários em: "LEMBRANÇAS" (7)

  1. prof. nelson disse:

    Muitas vezes quando lemos um texto entendemos algumas ideias vagas que tínhamos ou polimos pensamentos que passam a ser verdades que passamos a acreditar.

    Curtir

  2. Margarete disse:

    A leitura deste texto me levou a analisar todos os cursos que fiz na vida e cheguei a conclusão que não é só estudo que conta. A experiência de vida contribui muito para o desenvolvimento do meu trabalho.

    Curtir

  3. A educação deve ultrapassar as fronteiras do mundo acadêmico, assim diz o texto, então eu digo que a aprendizagem de nossos educandos deve ultrapassar as fronteiras dos conteúdos massacrantes e começarmos a valorizar os potenciais existentes em cada um deles!! Que tal mudarmos a maneira de olhar para nossos alunos? Joi Ito disse que os conteúdos universitários eram voltados para “dentro”, ou seja, teóricos, voltados a uma situação fora da realidade. Quem sabe não é isso que acontece com nossos alunos? Seremos mais produtivos em nosso trabalho se olharmos nossos alunos com um olhar mais Humano e menos crítico!

    Curtir

  4. Valéria disse:

    Também nunca tinha ouvido falar do Joi lto, e na leitura do texto percebi que tenho muito pela frente, muitas coisas pra descobrir e experiência adquirir!!!! Pois só faz 3 anos que comecei a exercer minha profissão.

    Curtir

  5. Arilson disse:

    Chamou-me muita atenção a ideia de dicotomia entre educação e aprendizagem, pois as duas são separadas e unidas por uma tênue muito discreta: a prática.
    A prática é indispensável, não enquanto testemunho mas como semente, aquela que jogada no vento é como evangelho: “produz fruto sem por um”.
    E por essa toada de produção penso no “acadêmico”.
    Quem são os acadêmicos?
    Produzem livros?
    Não podem ser os donos da verdade, mas os que servem a Verdade.
    O homem do post é um silencioso e não é um acadêmico mas pode ter achado a Verdade, não a subjetiva do tipo que cada um tem a sua (essa a gente acha todo dia), mas a que guarda o segredo da vida: A VERDADE.
    E por aí vai!

    Curtir

  6. Paulo disse:

    Vejo que a leitura é o caminho para aprendizagem, independente da situação do conhecimento, seja português ou matemática, pois em 21anos de magistério todos eles foram diferentes com histórias de vida que nos comove cada vez mais .Para fazer com que eu aprenda a lidar com informática somente com cobranças !

    Curtir

  7. Carmem Silvia Candido Gastaldi disse:

    Nós temos que nos adequar ao ambiente de trabalho,temos alunos de todos os niveis,uma equipe transforma a sociedade ,tornando um ambiente inovador,empolgante,motivador atuando no processo ensino-aprendizagem.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: