Por Maria Inês Campos

Todos os dias, agradeço a Deus por ser tão generoso comigo, porque além de colocar sob a minha responsabilidade tantos filhos Seus ainda permite que eu exercite o sagrado dom de compreender o outro.

Não é uma tarefa fácil, exige que se pense, reflita e acima de tudo, coloque-se no lugar do outro. Erro com muita frequência e recomeço quase sempre.

Escola é local de aprender; aprende aluno, professor, diretor, funcionários, e quem mais aparecer, isso acontece com todas as escolas.

A diferença na Sinhá é que a gente além de aprender coisas que a ciência ensina e aprender coisas que a cultura traz, a gente aprende a ser mais generoso, mais humano, mais compreensivo. Isso acontece porque os alunos da nossa escola Sinhá são pessoas que vem para a escola com uma riqueza de experiências pessoais tão variáveis e tão fora da rotina que permite a nós professores e funcionários uma chance para repensar valores e reaprender a ética humana.

Os meus alunos não são uns “anjinhos incompreendidos por esse mundo cruel”, muito pelo contrário, são crianças levadas, indisciplinadas como toda e qualquer criança, o que os faz diferentes é o alto grau de dificuldade material e emocional a que eles são expostos, e isso não acontece com todas as crianças, não é?

E diferente de todas as crianças, os meus alunos tem uma coragem maior e uma vontade maior, a questão é, e sempre será como liderar essa coragem e vontade. E para ser líder tem que se ter poder.

Pronto, chegamos à questão crucial: O PODER.

De tudo que aprendemos na escola Sinhá o mais importante é sobre PODER, o poder e sua relação com liderança, o poder como recurso de comando, o poder como construtor da ordem e disciplina. Se existe uma liçãozinha chata e difícil é essa.

O segredo, depois de muito tropeçar, descobri que é o seguinte:

O poder, ou a liderança NÃO se instala com a simples imposição, mas conquista-se através de demonstrações de comprometimento.

Demonstrar comprometimento não significa prender-se a registros ou metas impostas pelos órgãos oficiais, antes de tudo tanto os registros como a metas, devem ser considerados como norteadores do trabalho formal, comprometimento é estar atento ao bem-estar das pessoas, às necessidades do ser humano, às emoções que governam os nossos mais íntimos anseios.

Em resumo: O Comprometimento traz de brinde a Liderança, que por sua vez favorece a disciplina e a ordem.

Parece simples?

Pense sobre isso.

Anúncios

Comentários em: "Escola Sinhá – exercício de compreensão." (1)

  1. alessandra disse:

    Maria, também sinto-me agradecida por poder lecionar nesta escola e aprender a ser mais generosa, compreensiva e acredite continuaremos a ter esse privilégio.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: