Por Maria Inês Campos

Em meu trabalho de coaching tenho que ser rápida durante a “escuta” do que o coachee fala verbalmente e do que o coachee fala usando a linguagem corporal. Em outras palavras: o sujeito diante de uma terapia qualquer tenta de todas as maneiras conduzir  a observação do terapeuta. Isso é muito claro e na maior parte das vezes um processo consciente por parte do cliente, raríssimas vezes ocorre dentro de um processo do subconsciente.

O coach tem como instrumento de trabalho inúmeros recursos técnicos para aplicar e muitos deles são questionamentos propostos através de perguntas aparentemente singelas; é nesse momento que a rapidez de raciocínio e o domínio de conhecimentos específicos fazem toda a diferença.

Um dos perfis mais difíceis de  aplicar e desenvolver o coaching é o de indivíduo que apresenta, ou se apresenta, como “equilibrado” ou “sensato”.

Comumente atrás de alguém que raramente explode, ou dificilmente “fura” as regras esconde-se uma pessoa que está acuada, mesmo que sutilmente acuada.

E quando estamos acuados estamos em desequilíbrio, é  próprio do ser humano  correr entre a linha da EMOÇÃO e da RAZÃO, e nesse um e outro é que consiste o equilíbrio.

Somos seres que carregam em sua essência uma boa carga de instinto (decorrente da nossa descendência animal) e outra de raciocínio (somos animais que pensam e detemos o livre-arbítrio), diante disso e considerando ainda a nossa evolução é HUMANAMENTE impossível apresentarmos um comportamento equilibrado em boa parte de nossas vivências sejam elas pessoais ou profissionais.

Diante desse perfil, que chamaremos aqui de “equilibrado”numa tentativa de tornar o texto mais abrangente e digerível, podemos caminhar na hipótese do indivíduo acuado, e qualquer pessoa acuada recorre a apenas duas opções : A FUGA ou A AGRESSÃO.  Nessa polarização encontramos uma barreira bastante resistente para qualquer abordagem terapêutica, o pseudo equilibrado não está pré-disposto a se deixar ver, a rever fatos ou conceitos, porque ele está simulando um domínio situacional que mascara uma fragilidade ou deficiência que  pensa ter.

Resumo da ópera: o ser pseudo-equilibrado quase sempre é portador do complexo de inferioridade.

A decorrência natural é o seguinte processo mental :

– tenho uma deficiência –  preciso me defender – para minha defesa é preciso controlar o meu entorno – tudo tem que ser previsto – o IMPREVISÍVEL é ameaçador.

Alfred Adler, austríaco, um dos grandes nomes da psicanálise, médico, psiquiatra e psicólogo renomado, disse que: “subentendemos que, atrás das atitudes daqueles que se apresentam perante os outros com uma postura de superioridade, é possível a existência de um sentimento de inferioridade”.

Trocando em miúdos o sujeito que vê com muita frequência o que está inadequado, ou deficiente ou mesmo errado no outro partindo quase exclusivamente do seu ponto de vista, está na verdade, procurando justificativas para o seu desconforto pessoal.

Na teoria de Adler , o “estilo de vida” forma-se na primeira infância e quase não se altera depois.
Aqui podemos pensar na possibilidade de , na infância, alguém ter nos sinalizado que a felicidade depende exclusivamente do nosso acerto, o que é um peso absurdo, além de reforçar a idéia de que somos donos de “verdades”. Com o decorrer do tempo vamos trombando com desafios e situações que fogem ao nosso controle, que independem da nossa vontade e aí assustados deduzimos erroneamente que alguém deve responder por isso, e é claro que é o outro!

Instala-se, assim o conflito entre atribuir a culpa à alguém ou a si mesmo pela situação imprevista.

Meu caro leitor você tem dúvidas para que lado pendemos???

Esquecemo-nos da possibilidade mais real e mais contundente – não somos donos da verdade, todos nós fazemos o melhor sempre, todo imprevisto é detalhadamente previsto pelas leis universais. Ser flexível é ser sábio!
Ignoramos, a essência sagrada que habita em nós e lutamos contra uma suposta má sorte, que nos fataliza a desgastar enorme quantidade de energia, por não reconhecermos as leis naturais que regulam tudo e todos.

Dentro das leis naturais temos a garantia que TUDO é AÇÃO E REAÇÃO, portanto, o imprevisto é apenas um canal de comunicação que o UNIVERSO tem para nos redirecionar, nos colocar no rumo certo, sempre que por inadequação de nosso livre-arbítrio fugirmos do roteiro que nos levará à plenitude.

É de Voltaire a afirmação – “O acaso não é, não pode ser, senão a causa ignorada de um efeito desconhecido”.

Aceitar que somos músicos de uma afinada orquestra significa tomar a  providência primeira e essencial para  nos curar do sentimento de baixa estima ou inferioridade e  tentar compreender o modo como foram adquiridos e as crenças que os motivaram. Diante do imprevisível só cabe uma atitude – A FLEXIBILIDADE.

Sempre é possível alterar ou transformar nosso “estilo de vida”, desde que essas mudanças partam de dentro e nunca de fora de nós.
Para obtermos autoconfiança, somente é preciso reinvindicarmos, valorosamente, o que já existe em nós por direito divino, podemos e devemos  nos conhecer, buscar a essência de nossas emoções, buscar o REAL EQUILÍBRIO entre  a razão e a emoção usando de flexibilidade, de ousadia, de sonho, de acreditar em si mesmo e no outro da mesma maneira que o Universo acredita em nós há milhões de anos, sempre insistindo sem nunca perder a esperança de que alcançaremos a perfeição.

E viva o IMPREVISÍVEL !!!!! Viva a oportunidade de nos exercitar na nossa capacidade de sermos flexíveis!!!!!

Anúncios

Comentários em: "O IMPREVISÍVEL – esse grande aliado." (1)

  1. Viva…… É a razão de viver. Para o advogado, que tenta resolver seus casos pelo resultado e não pelo honorário a receber, pois o segundo é consequencia do primeiro, e neste reside toda essa teoria linda que voce expos com tanta clareza. Adorei o seu conhecimento profundo do SER. Já guardei dentro de minha agenda de trabalho para nos momentos em que for necessário dar uma chacoalhada nos neuronios, tornar a degustar os ensinamentos. Muito grato pela lembrança.
    Seu tio Pedro

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: