Por Maria Inês Campos

Arquivo para dezembro, 2011

Próximo, próximinho, próximão…

   “O Espírito é a individualidade pré-existente do ego, com grau de complexidade cognitiva crescente,cujo desenvolvimento se observa em sua capacidade de domínio sobre o ambiente que o cerca.”

Adenáuer Novaes

Dominar o ambiente que nos cerca não é exatamente mandar, ordenar,ter no ambiente em que se vive. Dominar tem um significado nessa frase de conhecer, entender, interagir, ser dentro do ambiente, nesse contexto fica muito claro a importância dos nossos relacionamentos interpessoais na construção da própria felicidade.

Caminhando para 2012, já com o pézinho dentro dele,  podemos perceber que trazemos  na trouxinha do tempo conhecimentos científicos abraçados com questões filosóficas, sinalizando uma NOVA ETAPA do desenvolvimento humano.

Até aí nada de novo?

Engano de quem assim pensa . Tudo  novo!!!! A partir da década de 80 houve uma busca mais intensa em questões de autoconhecimento, agora estamos buscando o “outroconhecimento”, percebemos que um primeiro passo para a construção da paz é responder questões como: quem EU sou, como EU sou e porque EU sou…. Parece simples? Experimente responder essas questões.

A superficialidade das relações começa a incomodar. Começamos a sentir falta de conversar com a vizinha, assistir TV na sala e brigar pra ver quem escolhe o canal, andar na rua e dizer Bom Dia!!! a todo mundo que encontrar…. entre outras coisas que simbolizam viver em grupo. Não sei se todos sabem, mas fomos criados para viver em grupo, lembra?  E não creditem esses exemplos na conta do saudosismo, mas na necessidade de rever valores e crenças. Ficamos tão empenhados para esmiuçar nossas ações e reações individuais que deixamos o próximo, o próximinho e até o próximão em segundo plano. Isso gerou um vazio que de vez em quando nomeamos de ansiedade ou depressão.

Outro fator que nos remete às neuras e angústias é a constante afirmação, de tudo quanto é lado, que diz: – VOCÊ é responsável. Se estou deprimida, só eu é que posso me curar(tá certo que temos a fluoxetina pra dar uma ajudinha). Se acaso tenho medo tenho que buscar dentro de mim a coragem. Acabou que a questão de pensar positivo, querer é poder, e outras tantas crenças foram desagregadas do AMOR AO PRÓXIMO. Acredito piamente em afirmações do tipo que posso tudo desde que eu queira, mas se não tiver pessoas à minha volta que acreditem comigo tenho quase certeza que não conseguirei. Nascemos para viver em grupo. Precisamos do outro e o somos necessários para o outro.

Nesses dias que antecede o final do ano de 2011 talvez fosse interessante uma pausa para buscar conhecimento e entendimento sobre as pessoas que estão próximas e libertando-nos das nossas amarras conceituais rever laços afetivos, declarar nossa afeição, deitar um olhar compassivo sobre o outro e distribuir sorrisos de cumplicidade. Depois de feito marcar na porta do guarda-roupa, ou se preferir na porta da geladeira a sequência desse exercício para que durante 2012 você possa estar com o seu Epírito “bombado”, com cara de” tanquinho” e totalmente preparado para VIVER e SER FELIZ

Anúncios

Balanço Geral

Então, né? Como eu ia dizendo “De pensar morreu um burro”, proponho hoje uma coisa diferente: – Vamos AGIR?????
Essa época é muito adequada para traçarmos mudanças comportamentais, mesmo pra quem não gosta de fim de ano, quase todo mundo aposta em conquistas pessoais ou sociais sempre que um ano inicia. O que proponho é mais do que isso, mais do que fazer uma lista de coisas que se pretende alcançar em 2012, é um pouco mais do que sair por aí dizendo Feliz Ano Novo, e todas as outras frases que é de praxe.

Vamos aceitar o calendário maia e realmente acabar com o Mundo e começar um Novo Mundo?

De hoje a 1° de janeiro de 2012 temos um tempo para finalizar algumas situações e deixar TUDO pronto, tudo acertado para começar um MUNDO NOVO. Você pode estar pensando que não há diferença alguma entre Feliz Ano Novo e Feliz Mundo Novo, ou pode pensar sobre o que fazer com toda essa estória que carrega desde o seu nascimento. O que fazer com as emoções, com os aprendizados com as descobertas??????

Ufa!!!! Tem coisa! E agora?
Ahhh! É exatamente essa a proposta: Vamos saltar para o novo mundo, vamos em um comboio, com passagem de ida sem a menor possibilidade de voltar

 Quer vir?

Venha!

Que bom que você decidiu vir com a gente! Agora é só saber para onde vamos e avaliar todas as nossas possibilidades.

Bom, vamos por partes como diria “Jack, o Estripador”:

Para onde vamos?

Vamos para um novo mundo

Para que?

Pra ser feliz.

Essa ação é possível?

É. Hoje cientificamente sabemos que o nosso mundo é ENERGIA,  a emoção é energia, o pensamento é energia, sabemos que energia atua na energia e que somos grandes PRODUTORES de energia. Concluindo – Cada ser vive no mundo que cria. Sendo assim nosso comboio para um mundo novo é totalmente possível.

Por onde começaremos?

Obviamente quando decidimos ir para uma viagem o primeiro passo será ARRUMAR AS MALAS.

Pegue uma mala pequena e coloque seus pertences essenciais, somos em muitos e precisamos de espaço. Quando arrumamos uma mala , colocamos nela o que temos de melhor e o que formos precisar quando chegarmos ao nosso destino. Você já arrumou uma mala e colocou roupa velha ou feia? Fale a verdade. Nem que fosse para ir para uma aldeia indígena colocariamos nas malas coisas feias ou velhas, então na sua mala coloque o que você tem de melhor, até mesmo porque vamos para um mundo maravilhoso e muito poderoso.

Quais os ítens selecionados para colocar na mala?

Coloque seus talentos, caso não ocorra muitas  idéias para para esse ítem, pergunte para sua mãe, se ela estiver de bom-humor ou para o seu ou sua melhor amiga. É infalível, eles sempre acham os nossos talentos, mesmo quando estão escondidos. Coloque também duas ou três lembranças boas, daquelas que só de lembrar enchemos o peito, reviramos os olhinhos e sorrimos sem  ninguém entender porque.

Não se esqueça de colocar os seus sonhos, esse ítem é imprescindível! São os sonhos que farão com que nosso cérebro, esse indisciplinado,  mantenha a sua usina de energia a todo vapor. Agora sim, feche as malas. Pronto já tá quase tudo pronto!

O que falta?

Falta só uma coisinha..

Corra pega “aquele” ursinho de pelúcia que você ganhou quando era criança. Vá logo! Iiiichiiii, não sabe onde guardou, não ganhou um quando era criança?? Então seja rápido, construa um com o seu cérebro AGORA.

Seja detalhista, escolha a cor, a textura, o cheiro, o fucinho e não esqueça dos olhinhos. Isso, ficou lindo!!! Pronto? Sinta com todos os seus sentidos o quanto essa nossa viagem vai ser boa. Feche os olhos e se projete no mundo buscado, planeje o que você vai fazer quando chegar lá, pode rir por antecipação, essa etapa de prever o futuro, tomar posse do seu futuro é muito importante. Pera aí… Já não falei que na mala vai só o que você tem de melhor??? O que que esse amor mal resolvido , essa mágoa, essa falta de fé, esse sentimento de “eu não consigo” tá fazendo nessa mala? Pode tirar,  e rápido senão a gente vai perder o comboio!!!!!

 Quase, essa foi por pouco, hein?

Pegue o ursinho e vá dizer para aquela criança que foi você, isso mesmo, volte à sua infância e diga pra você criança o quanto você cresceu como pessoa , fale sobre os obstáculos que enfrentou, conte sobre suas conquistas entregue o ursinho a ela, faça um doe afago e deixe claro para ela que fique tranquila porque o futuro será generoso. Mostre a ela no que ela fvai se transformar quando crescer. Diga o quanto valerá a pena viver. Dê uma beijoca e um abraço bem forte e volte para o hoje porque o nosso comboio já está saindo. Dê a sua mão, sorria, segure bem forte, já estamos indo! FELIZ NOVO MUNDO pra você!!! FELIZ 2012!!!!    

Caso você tenha alguma dificuldade para ir nessa viajem, entre em contato e acharemos uma solução. Pode acreditar.

Nesse texto abordamos as seis fases de um coaching; avaliação, fundamentação,formulação,implementação, transformação e consolidaçao.

DE PENSAR MORREU UM BURRO……

Pois é… de pensar morreu um burro( às vezes uma burrinha ou uma porquinha rsrsrsrs… ), é um velho ditado popular, e consequentemente, um sábio ditado!!!!

Pensar é bom. O problema é quando pensar implica em “supor”.

Por exemplo: quando uma pessoa não retorna uma ligação ou um email e o NOSSO  “pensar” diz que ela não retornou porque isso ou aquilo…. Isto sem ANTES preguntar para o agente principal que é o OUTRO porque ele não retornou a ligação. Outro exemplo clássico é quando caminhamos pelo achismo, e bem imponentes afirmamos que tal pessoa age de determinada maneira por causa disso, disso e daquilo, o detalhe é que NÓS achamos sem ao menos ouvir o que o OUTRO tem a dizer!! Santa Bárrbara!!!! Ai, ai ai… Pensar é bom , mas imaginar pode ser prejudicial.

Quantas vezes você já se colocou em situação de conflito por supor, imaginar uma atitude ou reação de outra pessoa e, muito do sem graça, perceber que estava enganado? Ou mesmo, quanto já articulou, preparou frases para serem ditas, ou olhares mil e nada acontece?

Imaginamos dentro da cultura que nos é própria, dentro dos nossos padrões comportamentais, dentro das nossas vivências como se o outro pudesse ser uma continuidade de nós mesmos. Quase sempre não passa pelo nosso cérebro que cada um é um, cada ser é único e, portanto, é impossível deduzir ou supor o que o outro pensa e aí nos deparamos

com uma situação muito constrangedora que é a sensação de sermos otários, vítimas de um golpe dado pelo nosso orgulho e vaidade. Quem falou que a gente sabe tudo? De onde tiramos o direito de presupor como anda a emoção  de alguém que não seja nós mesmos?

Nesse Natal se dê um presente –  Evite sofrer por coisas que só existem na sua cabeça. Ouça o outro, não pense muito, solte-se das amarras em que você foi se enroscando durante sua trajetória, dê espaço para que as pessoas possam se aproximar de você e dê vazão à sua emoção, sem medos sem culpas…. Enfim, viva e permita que os outros vivam cada qual do seu jeito, cada um contribuindo com o outro para aprender e ensinar e isso só será possível se tivermos o que trocar,  sendo diferentes um do outro. Não pense aja!!!

SONHOS DE NATAL

Alguém disse um dia:

“Se perseguir um sonho não é fácil, imagine perseguir vários diluindo as forças e a motivação!!!”

E é esse o nosso tema de hoje, aproveitando que o Natal está chegando e que por “forças ocultas”, nos empenhamos em ser mais nobres, mais felizes, mais esperançosos nessa data, tenho uma proposta para fazer : que tal estabelecer UMA meta para 2012, já que pelo jeito o mundo não vai acabar mesmo?

Meta é algo que ao contrário do que as pessoas  em sua maioria acham; não é nadinha vaga, é uma idéia clara , objetiva e palpável.

” Esse ano quero ser feliz.”  Isso não é uma meta, é a consequência de atingir uma meta. Toda meta tem que ser traçada em cima de uma única pessoa, e o pior dessa estória , essa pessoa só pode ser nós mesmos. A razão é simples e óbvia, não respondemos pelo outro, não podemos mudar o outro, só podemos mudar a nós mesmos. Toda meta implica necessariamente em mudanças, mudanças comportamentais, por exemplo, ou você se comportará do mesmo modo quando alcançar o que você quer? Claro que não, no mínimo um sorriso mais fácil você terá, certo?       

Diante de todas essas ponderações sobre metas vamos combinar que traçar UMA par 2012 já é de bom tamanho, uma que seja muito boa, que você possa ficar bem, que possa fazer com competência, que leve benefícios aos que convivam com você, que tenha possibilidade real de ser conquistada ( porque vai depender SÓ de você), que tenha um propósito de vida ( da SUA vida) embutido nela e que finalmente, possa acrescentar a SUA parte de contribuição para UM MUNDO MELHOR!!!!!

E agora o que você acha de aproveitar o Papai Noel e pedir recursos para alcançar a sua meta? Lógico que  antes de pedir os recursos você vai caprichar para elaborar sua META, não vai? Se precisar de ajuda, alguns palpites, me  chame, estarei aqui, à disposição.

Abrir portas…

– — A principal meta do coach é abrir portas para o seu cliente.

Portas dentro do seu inconsciente, consciente ou até mesmo do subconsciente.

Um coach acredita piamente que TODO indivíduo traz na sua mala de vida os recursos necessários para a resolução de qualquer problema de percurso, é aí que reside o fundamento do coaching. Eu acredito nisso, não por que disseram, mas por experiências vividas tanto no auto conhecimento quanto na observação e aplicação dessas técnicas no atendimento a outras pessoas.

O coaching aplicado abre as portas do cérebro, o obstáculo é que em alguns casos preciso ARROMBAR portas……

Por vezes o meu trabalho mais parece diversão, me pego elaborando estratégias, formulando perguntas que tenham o “efeito sacarrolha”,. Morro de rir de mim mesma, avaliando que reação vou provocar no meu cliente, o quanto vai ficar engraçado o seu olhar diante da suposta obviedade da pergunta a ser feita ou ainda que expressão terá diante da proposta de exercícios aparentemente desconexos. Preciso ser audaciosa!!!!! Um pouco louca aos olhos dos outros, crente e determinada segundo a minha percepção.
“Eu não consigo!” – parece que todos os coachee combinaram isso. Dizem essa frase antes mesmo de pensar a respeito.
Eu não consigo imaginar.
Eu não consigo me lembrar.
Eu não consigo sentir.
Eu não acredito que possa mudar (essa é a mais grave de todas)
Escuto essas afirmações, respiro volto pra dentro de mim, num mergulho maluco e…… abro os olhos fixando o cliente e disfarçando um sorriso maroto que teima em aparecer em hora errada, volto a propor questões, insisto nos porquês para que a pessoa perceba a sua própria incongruência.

Normalmente, quando em conflito ou inseguros, dizemos que queremos algo, e a nossa essência diz que não é verdade. Por exemplo:

– Quero ser feliz.
– Ótimo! Como?
– Tendo um carro.
– Pra que?
– Pra ser feliz, claro!!
– Hã hã… Você quer um carro?
– Quero.
– Como se sentirá quando tiver o carro?
– Não sei…
Nesse momento insisto na pergunta até que o meu cliente construa uma expressão próxima do contentamento de possuir um carro. Retomo às perguntas.
– O que você pode fazer para ter esse carro?
– Ah!! … não tem jeito, eu não sei, acho que não consigo!
É nesse momento que de “abridora de portas” passo a ser uma “arrombadora de portas”. E o pior é que por mais truculenta que eu possa parecer aos seus olhos de leitor, creia-me eu sou um “doce”, terna e afetuosa, mas o que eu posso fazer se estou de uma tremenda inverdade???? O que esse cliente quer NÃO é um carro. Ele quer auto-estima, ele precisa de valores e crenças que façam sentido para ele. Na verdade nem ele, dentro da sua consciência, acredita que um carro o fará feliz. Exemplo simplista diria você talvez, mas examine com atenção e transfira esse diálogo para o que você achar relevante. Muito provavelmente se surpreenderá com o resultado. Certamente estará se perguntando:- Bom, e daí? Como é arrombar portas, nessa estória????

E eu sorrindo, escondidinha atras da tela do computador, lhe respondo:

          – Tem um jeito muito legal, mas deixa pra outra hora que eu lhe conto, tá???                      

Agora preciso finalizar esse artigo. rsrsrsrs….

De quem é a culpa??????

O conhecimento sobre como as coisas se processam vem do exercício de viver

Parece óbvio, não é???  Então..  Não é .

Teoria é fácil, digamos que seja elaborar diante de uma vivência, portanto, teoricamente a afirmação que abre esse texto, parece ser simples e correta.

O que acontece é que somos muito bons em nos apropriarmos de conhecimento alheio e muito ruins em apreender esse conhecimento. Teoria é teoria, prática é outra coisa. Interiorizar conhecimento é viver experiências diversas e a partir daí mudar comportamentos. .

O que tem isso a ver com “culpa”? Tudo. Culpa é um modo de ver limitado, ela de verdade não existe, você pode sentir ou imputar a alguém enquanto desconhece um modo mais amplo de ver as coisas, enquanto for reduzido o seu grau de conhecimento.

Cotidianamente caminhamos no meio fio da culpa, de um lado a culpa por não ser o que as pessoas esperam que sejamos, por outro a culpa é de outro .  E assim como equilibristas vamos de culpa em culpa, pulando e reclamando. Dificilmente paramos para entender os processos em que estamos inseridos.

Quando paramos para avaliar uma situação, com clareza, raramente acharemos culpados, mas passaremos a entender suas nuances e mensagens,  e para que ocorra essa compreensão é necessário o CONHECIMENTO de quem somos, o que queremos e como faremos.

Conhecimento é um bichinho esquisito que às vezes achamos que temos, mas quando vamos buscá-lo chegamos a conclusão que não temos e quanto mais ficarmos quietos, desenvolvendo a aceitação, menos teremos chance de ter. Na medida que avançamos com coragem para o novo vamos sedimentar as experiências vividas e acumular recursos para o entendimento amplo de nós mesmos e do outro. E aí a Dona Culpa vai embora muito da sem graça porque faremos uma grande descoberta:

                        – Somos o melhor que podemos hoje!!!

Se alguma coisa der errado nunca será culpa minha ou do outro, será por ignorância, por inadequação do uso de recursos que temos.

É claro que ficando parado, tocando a vida, ninguém vai chegar a algum lugar que não seja um morno e cinza jogando a culpa de sua insatisfação em si mesmo ou nos outros.

Quer vida, cor, alegria intensidade e leveza?

Saia da sua zona de conforto, onde alguém sempre tem culpa por qualquer coisa e vá buscar a sua essência, largue o que é bom e lute por o que seja super bom!!!!

Faça o exercício de viver para construir o seu conhecimento.           

Sabedoria de D. Cândida

 Joana, moça boa e prestimosa, encontrou pelo caminho um andarilho.

Abatido e transtornado andava a rumo ignorado

A moça, filha de D. Cândida levou o andarilho para o abrigo do lar querido

Passa um dia, passa dois..

E a o final do quinto dia teima o andarilho a se lamentar

Ora por dores, ora por falta de amigos,

E até por ser andante, lamentava o viajante!

Vendo tanto descontentamento Joana fez um chamamento

Pediu à D. Cândida que desse ao moço um bom ensinamento

Contrariado se fez o pobre e se armava em novo lamento

Interveio D. Cândida sem constrangimento:

“- Ora meu amigo, vejo que não é do seu contento o abrigo que lhe cedo

Se tem no seu julgamento um melhor merecimento

Aconselho, sem demora, que escreva a própria estória

Se andando lhe traz sofrimento, parado é um novo tormento,

Então devo dizer que você é seu próprio ferimento,                                                            

Escolher é a tarefa dessa hora,

Se vai ou se fica ,é você que decide agora.

A escolha deve ser feita, essa é a meta que nos leva à felicidade certa”.

O andarilho percebeu que ser triste era um desejo seu

Pensou, pensou…  E escolheu!

– ” Caminhar me fará feliz, é só ter o rumo por onde ir!!!”

E foi……

                         E você já decidiu o que quer?????

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: